Bangkok

Krung Thep Mahanakhon Amon Rattanakosin Mahinthara Ayuthaya Mahadilok Phop Noppharat Ratchathani Burirom Udomratchaniwet Mahasathan Amon Piman Awatan Sathit Sakkathattiya Witsanukam Prasit é a cidade com o nome mais comprido do mundo, e está inclusive no Guinness. Mas pode chamar de Bangkok mesmo, que quer dizer cidade dos anjos.

Apesar de estarmos bem acostumados com as temperaturas altas do verão carioca, quando chegamos aqui sentimos muito calor! Para não desidratar, fazíamos sempre uma paradinha estratégica em um 7Eleven (loja de conveniência), já que tem um a cada 100 metros, para comprar água e roubar um pouquinho de ar condicionado.

Nosso primeiro passeio foi conhecer a Khao San Road. Essa rua é famosa entre os mochileiros e tem um comércio variado. Aqui os curiosos podem provar os bichos estranhos no palito, comprar bugingangas, comer, se hospedar. Como fomos na parte da tarde não vimos a agitação que estávamos esperando.

Essa área concentra alguns templos e o Grand Palace, residência oficial do rei da Tailândia. O complexo é gigantesco e abriga também o Wat Phra Kaew, onde fica o buda de esmeralda. Wat quer dizer templo, e o templo que mais gostamos em Bangkok e que é o maior da cidade, foi o Wat Pho, Templo do Buda Deitado. Esse buda tem 46 metros de comprimento e 15 de altura. 



No dia seguinte fomos ao MOCA, Museu de Arte Contemporânea de Bangkok, que foi inaugurado em 2012, então muita gente ainda não conhece. Além disso a estrutura é moderna e está tudo novinho. A exposição conta com obras de vários artistas tailandeses e foi uma grata surpresa.



Outro museu que visitamos e recomendamos foi a casa de Jim Thompson. A arquitetura da casa é em estilo tailandês clássico. Isso quer dizer que ela foi construída em cima de toras de madeira, ficando mais alta para a época de chuvas que costuma alagar as cidades. Jim Thompson foi um americano que se encantou pela seda tailandesa e resolveu resgatar o processo de produção tradicional feito maualmente.
O lugar é lindo e muito tranquilo. Lá dentro nem dava para perceber que estávamos em Bangkok. Fizemos um tour guiado pela casa, e soubemos de detalhes da vida dele e da Fundação criada depois de seu desaparecimento. Acredita-se que ele tenha sido comido por tigres, mas nem seus ossos foram achados.



Apesar de não estarmos fazendo compras como de costume quando viajamos por conta do tamanho das nossas malas, adoramos ver o que tem de local, principalmente artesanato e comida. O melhor lugar para comprar seja lá o que for aqui na Tailândia são os mercados.  Um dos mais conhecidos é o Chatuchak Market que só acontece nos fins de semana. Além da parte que todo mercado aqui tem, com comidas, roupas, massagem, etc... uma parte era bem moderna e com várias lojinhas hype.







Ficamos curiosos para conhecer um outro tipo de mercado, o floating market, que acontece nos rios. Fomos no Taling Chan, que apesar de não ser tão grande era o mais perto de onde ficamos hospedados. Vários barcos ficam nas margens do rio, e é lá mesmo que as comidas são preparadas. 



Por fim, fomos ainda no mercado das flores, Flower Market de Kamphaeng. 

A atividade nos rios de Bangkok é intensa. Além de mercados, muitas pessoas preferem se locomover pela cidade de barco para evitar o trânsito caótico. Tem metrô e Sky Train, mas não cobrem a cidade toda. Taxi apesar de ser muito barato vai tentar te enrolar e fazer caminhos loucos o tempo todo. Um taxista chegou a falar pra gente que o GPS estava errado e que a rua bem na nossa frente estava fechada, mesmo que a gente pudesse ver que outros mil carros estavam passando por ela. Tuk tuk então nem pensar, já que não tem taxímetro.


Bangkok é uma cidade cosmopolita e cheia de possibilidades, e o que não falta aqui são shoppings iguais aos que estamos acostumados. Fomos ao Central World para almoçar e fugir um pouco do calor. Um shopping bem famoso é o MBK Center, que foi a maior decepção. É uma feirinha um pouco mais organizada. Bem pertinho fica a Siam Square, parte moderna da cidade, onde as novidades acontecem e são vistas. Aproveitamos para provar uma sobremesa em um restaurante onde tudo é de manga, o Mango Tango. Pedimos o sorvete de manga com pedaços de manga e calda de que? Manga! 

Parada obrigatória é a cidade de Ayutthaya que fica a 1:30 de Bangkok de van. Chegando lá procuramos um motorista de tuk tuk, para nos levar nos templos, e acabamos conhecendo um americano gente boa que fez o passeio com a gente. Aqui tem que barganhar tudo, e conseguimos baixar a oferta inicial de 200 Baths/hora para 100. Depois de negociar o preço com o motorista é só sentar e aproveitar o passeio, que leva entre 6 e 8 horas. Honestamente, a maioria dos templos eram todos muito parecidos e depois de ir em 2 a sensação era de que  já tínhamos visto todos.  Mas passamos o dia inteiro nessa função.





Além de trânsito, arranha céus e muitos viadutos, Bangkok também tem parques urbanos. Fomos no Benjakiti Park dar uma relaxada e encontramos só turistas por lá. Outra forma muito conhecida e maravilhosa de relaxar é fazendo uma Thai Masssage. Acabamos fazendo só a Foot Massage, e foi bom demais da conta!




2 comments:

Carla Martins said...

Que maximo Tata! To indo pra thailandia em dezembro e vou usar as dicas!!

Ludmyla Rocha said...

As fotos são ótimas e os comentários muito bond. Parabéns. O blog está muito interessante. Bjs

Post a Comment