Paris

Ir à Paris é sempre maravilhoso. Quando reencontramos amigos queridos depois de 90 dias viajando, é melhor ainda!!!


Para começar, fizemos um pic nic aos pés da Torre Eiffel, com direito a baguette, croissant, queijos, champagne e outras guloseimas tipicamente francesas.




De lá fomos até o Arco do Triunfo, construído para comemorar as vitórias de Napoleão Bonaparte. Esse é um dos três Arcos ao longo do Triumphal Way, que vai do Louvre onde fica o Arc du Carroussel, passando pela Champs Élysées até La Défense, onde fica o Grande Arch.




Caminhamos pela charmosa Champs Élysées em um típico dia de primavera, com céu azul e a cidade completamente florida. Aproveitamos para fazer uma parada estratégica e apreciar os tradicionais doces na Ladurée.



Monalisa estava nos esperando logo ali no Louvre, assim como milhares de outras obras de arte que fazem desse museu um deleite. O que mais nos chamou atenção foi a Vênus de Milo e as pinturas de Arcimboldo, conhecido pelos quadros de rostos formados por frutas e legumes!






Próxima parada foi a deslumbrante Notre Damme de Paris, uma das catedrais em estilo gótico mais antigas da França e que inspirou Victor Hugo a escrever o romance "O Corcunda de Notre Damme". Chegamos durante a missa e pudemos ouvir o órgão sendo tocado. Emocionante! Alguns dias depois voltamos para assistir a um concerto de música clássica, composto de 2 organicistas e 3 cantores de ópera.


Seguimos pelo Sena para a Pont des Arts, onde as pessoas prendem cadeados como símbolo de amor eterno. Como já havíamos feito esse ritual em nossa última viagem, deixamos Felipe e Juliana fazerem as honras. Essa tradição pode estar com os dias contados, pois a enorme quantidade de cadeados, que pode chegar a 54 toneladas, está abalando a estrutura da ponte.


Finalizamos o dia voltando à Torre Eiffel para conferir a iluminação noturna especial, que mostra por que Paris é conhecida como cidade da luz.



Passamos um agradável domingo em Montmartre, um bairro cheio de ateliês e cafés. Uma banda animava a fila de quem esperava o funicular para ir até Sacre Coer. Nós subimos pela escadaria para apreciar a vista e depois de visitar a Basílica demos uma volta pela feira de comidas e artesanatos locais.




A culinária francesa é uma das nossas favoritas e não poderíamos deixar de mencioná­-la. Tivemos o prazer de conhecer o La Caféothèque, uma cafeteria com seleção de cafés do mundo inteiro. Os grãos são moídos na hora e a proprietária que é grande conhecedora do assunto está lá para dar dicas e sugestões. Foi ela quem nos contou que os melhores cafés brasileiros são os que crescem à sombra. Para quem achar difícil escolher dentre tantas opções, é possível fazer uma degustação.


Mudando da água para o vinho, ou melhor, do café para a cerveja, passamos na Brasserie O'Neil, a primeira microbrewery de Paris. Além de cerveja de boa qualidade, os pratos não deixam nada a desejar. Provamos o flammekueche, especialidade da casa, que é um pão bem fininho assado em chamas e pode ser recheado.


Para os amantes de mostarda, que acham que um potinho não é o suficiente, descobrimos que na loja da Maille diversos sabores são vendidos por peso. Já dá para comprar até mostarda on tap.
E de sobremesa nada melhor que sorvete!!!!! Além do Amorino que já tinha sido testado e aprovado, fomos apresentados pela nossa anfitriã Vanessa ao tradicional Berthillon que é feito apenas com ingredientes naturais, sem corantes ou essências. Imginem que delícia!





Fomos ainda na Galerie Lafayette Maison, um complexo gastronômico que tem todos os artigos culinários que se possa imaginar.


Passamos para conhecer os Jardins de Luxemburgo, cujo palácio de mesmo nome é uma réplica do famoso Palácio Pitti em Florença.


Deu tempo ainda de revistar a Igreja Madeleine, que por fora se assemelha mais a um templo grego. Lá ocorre anualmente a "Lavage de La Madeleine", promovida por brasileiros e inspirada na lavagem das escadarias da Igreja do Senhor do Bonfim na Bahia.


Conseguimos separar um dia para ir até Versailles conhecer o famoso Palácio e seus jardins. Para se ter uma ideia do tamanho um trem e carrinhos de golfe estão à disposição para quem quiser se poupar da caminhada, que no nosso caso foi de 6 horas e ainda assim não conseguimos ver tudo! A estrutura está extremamente bem conservada e mídias interativas contam a história do lugar e como foi o trabalho de restauração. Os jardins são impecáveis, com lago para passear de barco, alas cercadas de árvores formando caminhos, chafarizes de todos os tamanhos, estátuas gregas, anfiteatro, música clássica pelos jardins e para completar uma fonte com a dança das águas.





Nossa última parada foi na Shakespeare And Company Book Store, uma livraria muito antiga com milhares de corredores estreitos e cheios de livros por todos os lados. Poderíamos passar o dia lá facilmente.


2 comments:

Cristina Rocha said...

Que delícia! Lindos dias e os Museus maravilhosos! Paris!

Ludmyla Rocha said...

Definitivamente Conrado, você é bom na fotografia. A foto da Torre Eiffel está espetacular: luz, sombra, ângulo, intensidade. Parabéns, as fotos estão ótimas. E sorriso de vocês dois, contagiante. Bjs

Post a Comment