California Dreaming

Desembarcamos na Califórnia para continuar nossa viagem, dessa vez nas terras do Tio Sam. Passamos um mês cercados de belas praias, muito sol e comidas orgânicas compradas em mercados de produtores locais e muito mais.


Nossa primeira parada foi Los Angeles super conhecida por Hollywood e sua calçada da fama.



Na cidade do entretenimento não faltam opções de musicais, concertos e shows. Nós fomos conhecer a casa da Filarmônica de Los Angeles, o Walt Disney Concert Hall e fizemos um audio tour pelo prédio que tem o design inconfundível de Frank Gehry.

No caminho paramos no Grand Central Public Market para fazer uma boquinha, e foi difícil escolher dentre tantas opções.


Para fechar com chave de ouro, visitamos o Getty Center, um centro cultural que abriga diversas exposições e atividades. Além de passear pelos jardins, um deles só de cactos, vimos as obras de Cézanne, Van Gogh, Renoir, Rodan e Monet.



Em San Diego a atração principal é o zoológico, que foi um dos primeiros no mundo a tentar recriar o habitat natural dos animais.


A cidade é cheia de opções ao ar livre como o Embarcadero Marina e Village Port, além do Balboa Park, que tem arquitetura colonial espanhola. Fomos ainda em La Jolla, uma praia que fica a uma hora de San Diego.











Passamos também por Gaslamp, um bairro com cara de antigo, cheio de restaurantes e shopping.




Próxima parada foi Santa Monica, que é a cara da California. Praia, píer, pessoas praticando esportes e performance de Hip Hop nas ruas. Nós amamos, claro!








Continuamos por Santa Barbara que é chamada por alguns de Riviera Americana por seu clima mediterrâneo. Mas a maior influência sem dúvida, principalmente arquitetônica, é espanhola. Um bom exemplo é a Old Mission Santa Barbara, um prédio que servia como prisão e posteriormente virou uma igreja onde os indígenas da região foram catequizados pelos espanhóis.



A State Street é onde estão as lojas, cinemas e restaurantes. Nós acabamos achando um café brasileiro, o Art Coffe Brasil, e não perdemos a chance de matar a saudade de um pão de queijo com cafezinho passado na hora.

Passamos uma tarde no Jardim Botânico, que conta com mais de mil espécies de plantas, todas nativas da Califórnia, incluindo uma enorme Sequoia. E bem no meio da cidade fica a maior figueira dos Estados Unidos, com 128 anos. Seus galhos chegam a formar uma  área de sombra de até 60 metros.






Como em quase todas as cidades da Califórnia, Santa Bárbara também tem muitas praias e um píer, o Stearns Wharf, que foi reconstruído após um incêndio que ocorreu em 1998.



No caminho para Monterey passamos pela simpática Solvang, uma pequena colônia dinamarquesa no meio da Califórnia. Além de um moinho eles tem também uma cópia da estátua da pequena sereia, e várias padarias com os famosos doces e pães típicos da Dinamarca.





Em Monterey a grande atração é o aquário que fica na Cannery Road e foi instalado em uma antiga fábrica de sardinhas enlatadas (sardine cannery), por isso o nome da rua. O Monterey Bay Aquarium é absolutamente impressionante e a parte que passamos mais tempo foi a das águas vivas.














Outro ponto que vale a pena visitar é o Wharf Market que tem vários produtos locais e antes de ser um mercado o prédio abrigou a primeira estação de trem da cidade.

Para completar, fomos presenteados com o pôr do sol mais bonito de toda a viagem, em Monterey State Beach.


Na vizinha Carmel fica a 17 Mile Drive, com uma vista deslumbrante que vai de Pacific Grove até Pebble Beach, onde anualmente acontece um evento de carros antigos, o Pebble Beach Concurs d'Elegance. Além da beleza natural, essa área é famosa pelos campos de golf.



E em Carmel Beach City Park fizemos uma agradável caminhada.


Já em Santa Cruz, ao contrário do glamour de Carmel, encontramos vários projetos sustentáveis. Um deles é o Homeless Garden Project que promove a reintegração de moradores de rua à sociedade através de hortas orgânicas. Foi lá que colhemos morangos direto do pé.




Seguimos para Napa, região produtora de vinho, onde fizemos uma excelente degustação a convite da nossa anfitriã, na vinícola Artesa. Ficamos hospedados em um bairro fora do circuito turístico  e tivemos a chance de conhecer uma parte bem bucólica da cidade.






Continuando a viagem, chegamos em Berkeley que teve um papel muito ativo no movimento hippie dos anos 70. As ruas principais, Telegraph e Shatuka ainda são cheias de referências a essa época. Mas a maior parte do dia nós passamos no campus da Universidade de Berkeley, uma das faculdades mais conceituadas no mundo, que tem como mascote o urso Oski. Visitamos diversas bibliotecas e a Sather Tower, mais conhecida como Campanille, de onde tivemos uma vista de toda a baía.







E antes do nosso último e mais aguardado destino na Califórnia fizemos uma pequena parada em Mountain View para conhecer o fantástico mundo do Google, que tem até nome, Googleplex. A área é tão grande que 1.300 bicicletas coloridas estão disponíveis gratuitamente para que as pessoas possam ir de um campus a outro. É só pegar uma e sair pedalando.





Fizemos um tour apenas pela parte externa do complexo, já que somente os funcionários e seus convidados podem entrar nas dependências internas. Mesmo assim deu pra ver bastante coisa. A empresa é famosa por oferecer regalias a seus empregados, e nós pudemos ver de perto algumas delas, como por exemplo uma quadra de vôlei de areia, hortas, container com estrutura para cortar cabelo, estações de trabalho ao ar livre ou debaixo de uma árvore para quem preferir. 





Além disso, as diferentes versões do Android, todas batizadas com nome de alguma sobremesa, estão expostas em uma área reservada especialmente para elas. Demais!







Finalmente São Francisco!!!! Começamos pela marca registrada da cidade, Golden Gate Bridge. Sua cor, a "International Orange", não foi escolhida por unanimidade já que o arquiteto responsável vetou tanto preto como prata, por diminuir a escala da ponte, além de se recusar a atender ao pedido dos militares que defendiam que ela deveria ser listrada aumentando a visibilidade para navios e aviões que por ali passassem. Decidiu-se então pelo laranja por fazer um belo contraste com o céu e o mar.




No Golden Gate Park fica o Jardim Botânico e alguns museus. Nós visitamos o California Academy of Science, que é o Museu de História Natural de São Francisco. Ele conta com um planetário e uma réplica de floresta natural com inúmeras espécies que encontram-se em exibição. Uma grata surpresa foi ver que no terraço foi instalado um teto verde!





Algumas das paradas obrigatórias que conseguimos ir foram a Union Square, o Pier 39, a Lombard Street, a Guirardelli Square e o Ferry Building.










Bem pertinho de São Francisco fica Half Moon Bay, uma cidade pequena ideal para passar uma tarde no final de semana. Na Main Street fica o comércio local e é possível cruzar com pessoas a cavalo.


Terminamos nossa visita na Pride, parada LGBT que acontece em São Francisco, e é uma das mais antigas e também animadas. Coincidentemente estávamos lá nesse mesmo final de semana e pudemos conferir como a cidade ficou colorida para celebrar o orgulho gay.









No comments:

Post a Comment